Um lugar inesperado no Poder Judiciário Capixaba

Print Friendly, PDF & Email

Ao adentrar no edifício do Forum Moniz Freire, na Cidade Alta do Centro de nossa capital, não esperamos nos deparar com nada muito diferente do que uma repartição pública pode oferecer: mesas, cadeiras, equipamentos de informática, processos e pessoas trabalhando.

 

Mas para a surpresa de qualquer cidadão desavisado, é no quinto andar do prédio que localizamos um ambiente totalmente inesperado. No local está abrigado o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania do Poder Judiciário do Espírito Santo, também conhecido como 12 CEJUSC. Essas unidades, criadas pelo Conselho Nacional de Justiça, através da resolução 125/10, sao geridas pelo Nucleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos -NUPEMEC e são especializadas em atendimento ao público para a solução consensual de conflitos e orientação nas matérias relativas à cidadania.

A diferença começa no cheiro do ambiente, perfumado com aroma de casa, que nos remete a um local de acolhimento. Sim, este é o conceito que esses Centros pretendem oferecer aos cidadãos que buscam ajuda para solucionar seus conflitos, judicializados ou não. Além do cheirinho agradável, existe uma decoração simples, mas feita com muito esmero, pela servidora e mediadora judicial Luciana Pedrosa.

“Gosto muito de levar vida para os locais onde trabalho, sou caprichosa e gosto de deixar tudo arrumado. E aqui é imprescindível que exista uma política de paz no ambiente, meu objetivo é suavizar imagem da justiça”, ressaltou Luciana.

 

O espaço abriga algumas salas de sessão onde as pessoas podem conversar e chegarem a um acordo sobre suas questões. “O intuito desse espaço é a mediação, estamos aqui para ouvir as pessoas e fomentar o diálogo entre as partes, sem interferir em suas decisões. O objetivo do empoderamento do cidadão, onde ele decide sobre suas questoes, é a pacificacao social e a mudanca de cultura, quando o cidadao, nao terá necessidade de procurar o Poder Judiciário para resolver seus conflitos”, relata Izabella Dalla Sily Casagrande, Coordenadora do NUPEMEC.

O ambiente bonito, organizado e harmônico criado no 12º Cejusc, é um lugar inesperado com o jeito acolhedor de uma “casinha” para cuidar melhor do cidadão. Pois suas configurações próprias, que não estão previstas em nenhuma resolução oficial, buscam fazer diferença na vida de quem precisa dos serviços prestados pela justiça do Estado do Espírito Santo.